sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Festival de Fides

Rainha de Copas

Vossa majestade pode ate não concordar, mas ha de convir: acabou Rainha, não da mais. Nosso jogo chegou a trágico fim onde não ha vencedores. Um empate de derrotados na verdade.
Nenhum dos dois conseguiu nosso tão desejado premio. Nenhum de nos teve amor. Vossa majestade pela incapacidade de receber e eu pela sua constante negativa em dar ou ate mesmo retribuir.
Cansados de lutar contra nos mesmo nos encontramos distante e enfadados um do outro ate mesmo quando estamos juntos.
Tentamos, às vezes ate conseguimos, mas tivemos êxito. Deixamos-nos ser afastados de nossa meta por quase tudo que tentou nos afastar e ate por certas coisas que deviam nos juntar.
Chego então ao ponto onde declaro a extinção de qualquer força que me faça seguir em frente em nosso caminho. Nada mais me puxa, me prende, a você. E na sua falta de empenho em demonstrar que essas forças existem em você, decidi não buscá-las.
Estou a partir de agora seguindo meu caminho, meu jogo e nele não cabe um amor como o seu. Um sentimento que prende, mas não quer ser preso, que exige sem dar e que não luta, mas faz questão de ter usufruto das glorias da vitoria.
Serão regras no meu jogo o amor puro, livre e libertador. Altruísmo, dedicação e atenção também terão que estar presente. Paixão e desejo não poderão faltar. Verdade, compromisso e respeito serão os primeiros a se apresentar. Alem de parceria, companheirismo e cumplicidade que serão necessários em todos os momentos do jogo.
Assim certo Rainha, não consigo ver em vossa majestade a capacidade e o empenhos para entrar nesse jogo. Mesmo que caso entre não acredito que tenha a força para prosseguir.
Nesse jogo não haverá espaço para magoas, traumas alheios ou conformismos. É um jogo muito difícil, eu sei. Mas pretendo seguir nele. Acredito que o premio será dessa forma melhor conquistando e veja brilhar em mim a determinação e o merecimento para mais essa conquista. Pena não poder contar com toda sua realeza nesse percurso, mas nem sempre temos tudo aquilo que desejamos. E entre você e minha felicidade desejo bem mais a minha felicidade.
Sento pelo mal que tenha causado em algum momento e agradeço fervorosamente por todo o bem que me fez. Preciso seguir, pois tenho o longo e tortuoso caminho a minha frente, mas que me levara a uma cidade dourada. Desejo toda a felicidade para seu futuro, tudo que não pude dar e que você encontre logo alguém que possa fazer melhor tudo de bom que lhe fazia.
Adeus
Rei de Espadas

Um comentário:

karolzinha disse...

Sinceramente André esta foi a história mais bem produzida e representada diante a realidade dos fatos,narrada diante de uma perspectiva sensacional,Parabéns!:D